Rinaldi: o zagueiro multicampeão e artilheiro

Adair Rinaldi, colecionou títulos por onde passou

Adair Rinaldi, concedeu entrevista ao Show do Esporte da Rádio Vitória, no dia 21 de setembro de 2020.

O xerifão, líder, o zagueiro artilheiro, o polivalente, enfim, várias características, podem definir Rinaldi, figura conhecida no futebol amador regional.

Rinaldi, é natural de Ibicaré. Residiu por alguns anos em Matelândia no Paraná, onde até hoje, estão alguns de seus irmãos. Adair, no entanto, não se adaptou por lá, e resolveu retornar para a região meio oeste de Santa Catarina, onde residiu aproximadamente 5 anos, em Pinheiro Preto, até fixar residência, no Rio das Pedras, em Videira.

Somos, em uma família de onze irmãos.

Um zagueiro, que soube mesclar duas ótimas virtudes. Clássico e com categoria para sair jogando, mas também “zagueiro-rifador”, quando precisava.

O INÍCIO

Seus primeiros passos no futebol, foram no Vasco da comunidade de Linha Caxias, em Pinheiro Preto. A primeira vez, que vestiu a camisa da equipe, foi no extinto campo de Linha União, num confronto entre Pinheirinho e Vasco. Na época ainda, existia a categoria juvenil, aspirantes (segundinho) e principal.

Rinaldi, atuando pelo Vasco de Linha Caxias. O primeiro agachado, da esquerda para a direita. Seu irmão, Lauro, o primeiro em pé, da direita para a esquerda.

Chegando, em Videira, atuou na Seletiva da 2ª Divisão, por uma equipe do Rio das Pedras. Suas atuações, acabaram chamando atenção de Celsão Carenhato, dirigente-mor da Sociedade Esportiva Colorado, que acabou convidando-o para integrar a equipe.

Com o Colorado de Videira, Rinaldi conquistou várias taças e ganhou destaque na região

CAF FRAIBURGO, E O TÍTULO DA SEGUNDONA

As boas atuações no Glória de Fraiburgo, chamaram a atenção dos dirigentes do Clube Atlético Fraiburgo, que em 1998, participou da Taça RBS e meses mais tarde, chegou ao título da 2ª Divisão do Campeonato Catarinense, ao vencer o Botafogo de Xaxim, na decisão. Rinaldi e Claude, fizeram parte daquele elenco campeão.

Rinaldi, Gê, Claude (já falecido), Pelé, Fabricio Debbiazi, são alguns atletas conhecidos na região que tiveram passagem pelo CAF de Fraiburgo

Não participei do jogo final. Não fui relacionado, mas estava lá no Macieirão, acompanhando a partida e torcendo. Vibrei muito, com o gol do Da Silva.

Recordo do jogo de apresentação do CAF para a torcida, diante do Joinville. Chegou a delegação do JEC, no Estádio Macieirão, e me chamou muito a atenção, os roupeiros trazendo todos os equipamentos dos atletas, algo que nunca tinha visto antes, no futebol

Rinaldi, no Estádio Macieirão, em Fraiburgo

POLIVALENTE: de goleiro a atacante

Goleiro, zagueiro, meia, atacante. Rinaldi, queria estar em campo, fosse em qualquer uma das onze posições. De fato, a posição que ganhou mais notoriedade, foi como zagueiro, porém em 2005, atuando como meia atacante, foi artilheiro do Municipal de Videira, com o Colorado.

Não gostava de ser capitão. Pois tem se a tradição, que o capitão tem que cobrar a arbitragem, e eu não curto muito isso. Sempre tratei, todos, com muito respeito.

PARCERIA COM CLAUDE

Claudemir da Silva e Adair Rinaldi, formaram uma parceria de sucesso, seja dentro de campo, ou fora dele. Por estas peças do destino, a dupla vitoriosa, se separou, em dezembro de 2012.

Claude, o meu compadre querido, era uma pessoa 100%. Não tinha vícios: não bebia, não fumava. Era um apaixonado por futebol, um tanque de guerra. Formamos uma dupla vitoriosa, quando recebíamos convites dos times, geralmente era para “contratar os dois”. Infelizmente, faleceu prematuramente aos 40 anos de idade, em 2012. Naquele triste domingo, participamos de um amistoso pela manhã, com o Ragadalli, em Rio das Antas. A tarde, tínhamos a decisão do Municipal de Videira, no Estádio. Mal, sabia, que aquele teria sido, meu último contato com ele. A noite, após perdermos a final, ele foi para mais uma partida, no Ginásio do Rio das Pedras, no Torneio de Verão, foi quando deu o infarto fulminante, e ele infelizmente acabou falecendo

Claude e Rinaldi

MULTICAMPEÃO

Rinaldi, foi campeão por onde passou. Seja em Campeonatos Municipal, Regional, Estadual de Amadores, Série B do Catarinense, Master, Quarentinha.

Apenas não conquistei o título da Série A do Catarinense, comentou com orgulho

De sete edições da extinta Copa Vagner Pilatti, o zagueiro foi campeão em cinco delas, além de um vice campeonato. Na Copa Regional dos Campeões, foi campeão das primeiras duas edições: em 2010, com o São Luiz de Rio das Antas e em 2011, com o Bom Sucesso, Iomerê.

Sem contar os inúmeros títulos do Municipal de Videira, com o Colorado (Cidade), Atlético Vista Alegre (Interior), com o São Luiz (Rio das Antas), Pinheirinho (Pinheiro Preto), Ipiranga São Marcos e Torino (Tangará), Glória, Trombini e Transcoelho (Fraiburgo), em Caçador (atuou no Kindermann), Campos Novos, e outras cidades.

LEMBRANÇAS

Recordo de uma partida, no Estadual de Amadores, que tive que marcar o Patricio, que na época atuava pelo Olaria de Xanxerê. Tive, que chegar junto no home! Acabamos, saindo os dois expulsos daquela partida

Rinaldi, concedendo entrevista a Rádio Vitória, em 2007: decisão do Interior de Videira. E adivinha? Mais uma taça!

Melhor companheiro de zaga?

Agora você me colocou numa fria. Prefiro não citar nomes, para não esquecer de ninguém. Sempre atuei ao lado, de grandes zagueiros

Uma resenha

O Pinheiro de Campos Novos, sempre teve um timaço, grandes jogadores, e uma torcida apaixonada. Em jogos, no Pinheirão, a torcida jogava junto com o time. Recordo, do foguetório, pedras no ônibus na chegada, tudo isso, principalmente em jogos eliminatórios. Certo jogo, em um dia de chuva, o lateral esquerdo do nosso time, deu um carrinho e acabou passando com o pé, por baixo da cerca (alambrado). O torcedor, gentilmente, jogou o pé dele, de volta pro campo, a chute (risos). O clima lá era quente, era um caldeirão. Grandes jogos, contra aquela baita equipe.

Rinaldi, com o troféu de campeão do Regional da LEOC, de 2004. Naquele ano, o Pinheirinho, venceu o Pinheiro de Campos Novos.

Quem foi melhor, Lauro ou Adair?

Lauro, meu irmão.

Pra finalizar, mais uma resenha…

Certa vez, recebi no sábado, em minha casa, um envelope, com R$ 200,00 reais, para eu não ir pro jogo final, no domingo. Fui lá, joguei e na segunda feira, devolvi o valor para a pessoa…

Perdeu, o programa? Não tem problema, ficou tudo salvo no Youtube.

Mais fotos no facebook do La Pelota!
VEJA TAMBÉM
COMENTÁRIOS
Carregando