SE Colorado: a equipe do Celsão

Em 15 anos de existência, equipe conquistou aproximadamente 10 títulos

A Sociedade Esportiva Colorado, multicampeã no município de Videira, com algumas conquistas regionais e também um 3º lugar no Estadual de Amadores, gravou seu nome na história, em aproximadamente quinze anos de existência.

Tudo começou, quando Cersi Reis Caranhatto, o Celsão, ainda jogava no segundinho (também chamado de aspirantes), do Nacional, que era comandado pelo Peretti. Como só o time principal, podia participar do Municipal de Futebol de Videira, naquela época, e a equipe era de qualidade, receberam o convite para disputar o Campeonato de 1989, pela Sociedade Esportiva Vitória, do saudoso Dirso Piratuba.

No ano seguinte, surgia então o Colorado. Detalhe, curioso que foram feitos alguns amistosos, sem mesmo ter um nome oficial para o recém criado time. Somente após duas reuniões, foi que Celsinho Gonçalves sugeriu que o nome do time fosse “Colorado’, em virtude do uniforme ser de cor vermelha. Celsão Carenhato, dirigente maior da equipe, prontamente aceitou, afinal é torcedor do colorado gaúcho.

  • Celsão e Conga, foram os “fundadores/idealizadores” do Colorado.
Carteirinha do Conga e Celsão

O primeiro a gente nunca esquece

Em 1990, já no primeiro ano, na elite do futebol videirense, equipe conquistou o título de forma invicta.

O primeiro título foi especial, em 1990: campeão invicto da cidade, e no cruzamento Interior x Cidade (Colorado, Napoli, Passo da Felicidade e Aparecida), vencemos também de forma invicta, comentou Celsão.

1991 – Estadual de Amadores – Copa RBS – Videira Campeão

O vitorioso time do VEC de 1991, foi uma junção de jogadores do Nacional, Grêmio e do Colorado. O Colorado videirense forneceu nove jogadores convocados para formar o elenco que sagrou-se campeão da Copa RBS (Estadual de Amadores da época).

Colorado forneceu 9 jogadores para o elenco do VEC, campeã da Copa RBS (Estadual de Amadores) de 1991.

Sem dúvidas, Videira possuiu grandes equipes, entre elas a Sociedade Esportiva Colorado, uma das maiores, senão a maior.

Quantas vezes o Colorado foi campeão municipal?

A pergunta é boa. Difícil é saber da resposta. Foram aproximadamente 15 anos de existência do Colorado: de 1990 à 2005. São 10 ou 11 conquistas, não saberia precisar, de momento.

Quando o Chile, comandava a Fundação ele organizava o Campeonato Municipal, com 16 times, se não estiver enganado. Os oito primeiros, disputavam a Taça Cidade de Videira, no segundo semestre. Podia pegar jogadores, dos times que não se classificaram entre os oito melhores e contratar mais cinco reforços de outros municípios. Não lembro, quantas edições da Taça Cidade de Videira que teve. Mas recordo, que só perdemos uma decisão, comentou Celsão

É fato, que Celsão, sabia montar o elenco para as competições que disputaria. Muitos irão dizer que investia para isso, é bem verdade, mas quantos investem, sem resultado. Mesmo quando perdia atletas para adversários, sabia repor, e o novo contratado chegava como se já atuasse a tempos com o restante do grupo.

Conga, Tessari, Cafuné, Melão, Índio, Canhoto, Ita Ceron, Silvério, Adir Comunello, Gena, Rato, Rinaldi, Milico, Clodão Megiolaro, Careca, foram alguns dos jogadores que se destacaram ao longo da vitoriosa história do Colorado. Um time recheado de grandes craques, a verdadeira “Selecelso”, que geralmente contava com uns 20 jogadores, praticamente do mesmo nível, ou seja, tinha plantel.

Eu vivia 24 horas em função disso. Pegar assinatura de jogador, corre pra lá, corre pra cá, uniforme, patrocínios, enfim…Quem é do meio esportivo, sabe o que estou falando. Por falar em uniforme, sempre foi minha esposa, que lavou os uniformes do Colorado, agradeço e muito a ela

JOGO RÁPIDO COM CELSÃO

Celsão, é proprietário dos Produtos Nono Bépi, que produz salames e outros derivados, desde 1994, e por isso da pergunta, inclusive sugerida pelo seguidor do La Peltoa, Wagner Kinal.

Teve que pagar bicho, com salame e linguiça na época do Colorado?

De jeito nenhum! Mas se tivesse o dinheiro que gastei com carne e cerveja, após os jogos, eu tava bem (risos)

Por que se afastou por completo do futebol e hoje não se vê você nem assistindo?

Algumas decepções, mas prefiro nem comentar.

 

Pensa algum dia voltar ao futebol?

De momento não

Se arrependeu de ter investido tanto no futebol?

A palavra não é arrependimento. Mas se fosse hoje, por tudo que aconteceu, não faria novamente. Pois prejudiquei muito da minha vida, por causa disso, inclusive minha família. Quem sabe de futebol, sabe do que eu estou falando.

Perdeu amigo por causa do esporte?

Acredito que não. Tudo pra mim, ficou dentro de campo. Tivemos confrontos quentes, com o América, mas tudo ficou dentro das quatro linhas. Xinoco, meu grande amigo.

 Já deixou algum titular absoluto no banco?

Sim. Em 2006, representando o São Luiz, ficamos campeões invicto da Taça Vagner Pilatti. Bibico, Timba, Paulinho França e Rubens ficaram alguns jogos no banco. Eles estavam recebendo, e tinham que aceitar. No primeiro dia, eles quiserem reclamar e eu falei, vocês estão recebendo. Pois os daqui era por amor e camisa, tinha que valorizar.

Em parceria, com o São Luiz de Rio das Antas em 2006, campeões invictos da categoria principal da Copa Vagner Pilatti

Antes da existência deste Colorado, existiu outro em Videira.

Matéria elaborada com trechos da entrevista de Celsão a Rádio Vitória no dia 31 de agosto de 2020.

VEJA TAMBÉM
COMENTÁRIOS
Carregando