Carlão: o goleiro, capitão e cobrador de faltas

Goleiro teve passagens no futebol profissional e colecionou títulos no Amador


Carlos Alberto de Oliveira, o Carlão, filho de Nelson e Dona Maria, nascido em 12 de junho de 1974 é natural de Vargem, município de aproximadamente 2.500 habitantes. Em seu documento oficial é curitibanense, pelo fato de ter nascido em hospital daquele cidade, visto que, Vargem, como a maioria dos municípios pequenos, não possui hospital. O goleiro Carlão, passou a residir, em Campos Novos, em 2002, onde conquistou seus principais títulos no futebol amador regional.

Mais do que fechar o gol, função primordial do goleiro, Carlão foi cobrador de faltas, capitão e até se arriscou de pivô no futsal.

Defendendo o Brasil da Vargem foi tricampeão municipal de campo e tricampeão no futsal (inclusive sendo artilheiro e atuando de pivô)
Com 13 anos, Carlão já foi campeão, em Vargem
O início no futebol profissional

Em 1993, na época com 19 anos, foi promovido para o elenco de profissionais do Internacional de Lages, pelo intermédio do treinador Luiz Carlos Figueiredo Cruz (por anos foi auxiliar de Lula Pereira até seguir carreira solo).

Inter de Lages 1 x 1 Joinville – 1995
Luiz Carlos Cruz, “lançou” Carlão, no futebol profissional, em 1993, pelo Inter de Lages. Depois quis levar o atleta para o Figueirense

Questionado sobre sua inspiração para ser goleiro. Carlão respondeu ao La Pelota:

Sinceramente não tenho. A inspiração foi o gosto em ser goleiro

No inicio de 1998, foi campeão do Regional Amador da LEOC, com o Frei Bruno de Joaçaba sob o comando do técnico Baiano. No meio do ano, transferiu-se para o LEC – Lages Esporte Clube, a pedido do treinador Acosta, onde foi o capitão e líder da equipe.

Em 1998, duelos marcantes com o CAF, pela 2ª Divisão do Futebol Catarinense. Tanto no jogo em Fraiburgo, no Estádio Macieirão, como em Lages, no Tio Vida, Carlão foi eleito o ‘Melhor em Campo’. Em Fraiburgo, inclusive defendeu um pênalti, que ajudou a garantir o empate, sem gols.

Lembro, de embates, com o centroavante Da Silva, em 1998, ano do título da segunda divisão por parte do CAF de Fraiburgo. Como é de praxe dos goleiros: gritava, erguia o joelho lá no alto, para proteção e muitas vezes me choquei com o ‘Da Silva’ e o homem não corria, não fugia da panada. Batia nele e ele vinha (risos). No ano seguinte, atuou em Lages, junto com o Nequinho e o Branco, que também atuaram em Fraiburgo. Se não estou enganado, empatamos as duas partidas com o CAF, naquele ano de 98

Jornal destacando, boa atuação do goleiro Carlão, diante do poderoso Figueirense

Na época do profissional, chegou a receber sondagens por parte do Criciúma, Atlético Paranaense e Grêmio. Porém a negociação não saiu do papel e uma fatalidade acabou atrapalhando ainda mais os planos: o goleiro acabou sofrendo grava lesão, ficando oito meses parado, e “perdendo” a temporada de 1999. Goico (ex-goleiro do CAF), assumiu a meta do time de Lages.

  • Rogerinho (presidente do LEC Lages) era seu empresário na época de profissional

Carlão retornou as atividades apenas, no ano de 2000, para defender o Fluminense de Feira de Santana, da Bahia. De lá, transferiu-se para o Palmeiras de Barra dos Bugres, que disputou o Campeonato Matogrossense: esta inclusive foi sua última equipe do futebol profissional. Cansado das andanças do mundo futebol e das dificuldades enfrentadas, resolveu só disputar competições amadoras.

  • Curiosidade: Em 2000, o Inter de Lages foi campeão da Série B do Catarinense
Convite de Tiago Nunes para integrar o elenco da Camponovense

Fato curioso, que nos anos 2000, quando já estava defendendo o Pinheiro FC, em competições amadoras, recebeu convites de Tiago Nunes (preparador físico e rouperio na época), para ingressar no Clube Atlético Camponovense, que em 2003 conseguiu acesso para a Divisão Especial do futebol do estado.

O gaúcho Tiago Nunes, atualmente treinador do Corinthians (e campeão da Copa do Brasil com o Atlhetico Paranaense), ia assistir os jogos no Estádio Pinheirão e se “encantou” pelas atuações de Carlão.

Tiago Nunes na Camponovense
FUTEBOL AMADOR

No futebol amador, Carlão gravou seu nome na história do Pinheiro Futebol Clube de Campos Novos, onde entre inúmeras conquistas, pode-se destacar: o tricampeonato do Regional da AMPLASC e o tetra do Regional da LEOC (em sete finais consecutivas disputadas). Equipe teve também participação no Estadual de Amadores, onde, em 2007, chegou a fase de Quartas de Final.

Símbolo e líder do Pinheiro F.C, conquistou inúmeros títulos regionais e municipais na parceria de seu fiel escudeiro, Guiomar da Luz, conhecido como Alemão Preto.

Carlão e Alemão Preto, muitos títulos juntos, lendas do Pinheiro FC. Juntos conquistaram títulos em Joaçaba, Campos Novos, Curitibanos, Vargem, Brunópolis e por aí vai). Em 2006, conquistaram a Taça Coroado, defendendo Brunópolis

90% dos títulos que conquistei no Futebol Amador, foram junto com Alemão Preto, meu grande parceiro, uma lenda, tanto no futebol de campo, como futsal.

No amador também se caracterizou por ser exímio cobrador de faltas (tinha um coice de mula), especificamente as que aconteciam pelo lado direito de ataque: enchia o pé e se não dava gol, preocupava os goleiro adversários.

No profissional, os treinadores não deixavam, eu cobrar faltas (risos). Mas cansei de ganhar, apostas de companheiros de equipe.

Carlão foi inúmeras vezes, goleiro menos vazado

Carlão sempre foi o goleiro de confiança, dos irmãos Nivaldo e Reginaldo Castanhel. De fato, era Carlão e mais 10.

Quando se fala, em Pinheirão (Estádio), que lembranças vem em sua mente?

Nossa casa. Muitas alegrias, muitos títulos. Casa cheia e torcedor sempre apoiando.

  • Em julho de 2020, a Administração Municipal de Campos Novos efetivou a compra do Estádio Pinheirão

Adriano Bazolla de Fraiburgo, atuou junto com Carlão, em alguns campeonatos, defendendo a equipe do Pinheiro e comentou ao La Pelota

A lembrança que tenho do amigo Carlão é que batia faltas com muita qualidade, fazia gols. O Rogério Ceni, do futebol amador…

Ouvi boatos, que Carlão, está com um sério problemas nos ombros: de tanto levantar taças! Diga-se de passagem, um baita goleiro, decisivo e campeão.

FAMÍLIA

Carlão é pai de Carlos Leonardo (25 anos, que reside em Lages), e dos gêmeos, Pedro Afonso e Joana (de 6 anos de idade). É avô de Lívia (8 meses). Seus pais Nelson José de Oliveira e Maria Ivete Moraes de Oliveira já são falecidos.

VEJA TAMBÉM
COMENTÁRIOS
Carregando