Jé participou de um bate papo descontraído na Rádio Vitória

Programa Show do Esporte vai ao ar todas as segundas feiras

Jefferson Luiz Rocha Franco. Para os videirenses simplesmente Jé; o meio campista do Videira Esporte Clube, o VEC da vitoriosa campanha de 2006, participou do Programa Show do Esporte da Rádio Vitória na segunda feira, no dia 04 de maio de 2020.

Em um bate papo bastante descontraído, Jé, atualmente com 41 anos, contou alguns detalhes e algumas curiosidades do VEC e sua trajetória no futebol.

O ex-atleta é natural de Porto Alegre (RS) e iniciou sua jornada no futebol, muito cedo, logo com 6 anos, nas categorias de base do Grêmio, seu clube do coração, onde permaneceu por volta de dez anos. Depois foi transferido para o América Mineiro, onde atuou nos Juniores.

Posterior a isso, rumou ao exterior, onde teve passagens por equipes do Uruguai, Colômbia, Arábia Saudita, Índia e França. No Brasil, atuou em várias equipes de Santa Catarina, entre elas: Metropolitano, Atlético de Ibirama e Timbó (2005). Jé, acabou encerrando sua carreira, aos 31 anos, no Mato Grosso do Sul.

Parei cedo, em virtude da minha vida desregrada extra-campo. Em 2009, tive um encontro com Deus, onde aconteceu minha conversão, e a partir daí, integrei o elenco da Seleção Brasileira Cristã. Muitos jogadores renomados, participaram desta equipe, como Rivaldo, Edimilson, pentacampeões mundiais, e que era conduzida por Dunga. Viajamos para Jamaica, Líbano, onde realizamos várias ações sociais, através do futebol, comentou.

O ex-atleta contou nos microfones da Rádio Vitória, que atuou em 2002, juntamente com o lendário goleiro Higuita, na equipe do Deportivo Pereira, do futebol colombiano.

Higuita era um cara fantástico, querido por todos. Profissional ao extremo. Treinava demais faltas e saídas de bola. Tudo que ele tentava fazer nos jogos, ele treinava. Em relação as cobranças de faltas, (assim como fiz no VEC), nunca ousei, de tirar a bola das mãos do Higuita, em uma cobrança de falta (risos).

Jé, atuou por seis meses, com o lendário goleiro Rene Higuita, no futebol colombiano, em 2002, no Deportivo Pereira.
Algumas das equipes que Jé atuou:

Como veio parar em Videira, no VEC?

Foi apresentado um projeto por Sérgio Rodrigues, o Serjão, que ajudou na montagem de muitas equipes de Santa Catarina, que tinham objetivo de subir para a 1ª Divisão.

Com o VEC, Jé foi campeão do Turno da Divisão de acesso de 2006, e vice campeão geral. Também fez parte do grupo de atletas que participou da Divisão Especial de 2007 (aquela fatídica ‘virada de mesa’).

Durante a entrevista, Jé, enalteceu o grande trabalho realizado por toda a diretoria videirense em 2006 (Doutor Jorge, Nereu de Paula, Gilson Parolin, Celsão, entre outros).

Nosso grande rival, em 2006 foi a Camboriuense, e não digo isso só pelos jogos marcantes das finais. Ao longo de toda a temporada, enfrentamos eles seis vezes, se não estiver enganado. Nossa equipe era mais experiente,com jogadores rodadados e a deles com jovens valores, em um projeto comandado por Valdo (ex-meia do Grêmio e da Seleção).

Resenha – História engraçada na passagem em Videira

Em um tom de resenha, estilo comum de boleiro, Jé contou de um episódio engraçado (agora), mas tenso no momento que aconteceu. Destacar inicialmente, que os atletas solteiros do VEC dormiam na casa do atleta alugada pelo clube, localizada em frente ao cemitério.

Em um final de semana, dois parceiros de casa (Rafinha e Edson), foram viajar para visitar seus familiares, e combinaram comigo, que era para deixar a porta da casa aberta, haja vista, que iriam retornar pela madrugada da viagem, e não queriam atrapalhar meu sono. Sinceramente, acabei esquecendo do pedido dos amigos. Tarde da noite, por volta das 3 da manhã, os companheiros de clube bateram na porta, apavorados, chegaram até inclusive a chutar a porta. Então, fui correndo abrir, e os meninos pularam pra dentro da casa, rapidamente. Quando eu olhei pra fora, tinha um cara sentado em cima de um tumulo. Não sei até hoje, quem era o misterioso vivente.

Pergunta do Internauta Pardal

“Aos olhos do torcedor local, parecia que a gente tinha um time acima da média, em 2006. Você que jogou em vários clubes. Com o elenco de 2006 a gente teria condições de disputar dignamente uma primeira divisão de SC?

Jé respondeu: O plantel do VEC de 2006 era muito bom. Mas o que muita gente, talvez não saiba, é que para jogar uma 1ª divisão precisa de uma equipe muito forte fora do campo também, e aí eu me refiro como gestão, ou seja o extra-campo. Sabemos, também de todas as dificuldades financeiras de uma equipe pequena, mas com organização, os frutos podem ser bons. Infelizmente para 2007, no Quadrangular da Divisão Especial, acabamos perdendo alguns atletas do elenco de 2006, e como a competição era de tiro curto, acabamos por não entrosar a equipe no torneio. Mas posso afirmar, que com o planetel de 2006, iriamos sim disputar dignamente a elite do Campeonato Catarinense.

  • Kempes (falecido no trágico acidente da Chapecoense), atuou pela equipe do Próspera, naquele Quadrangular de 2007. No Joinville, atuava o zagueiro Galeano (ex- capitão do Palmeiras)
O que cidades do porte de Videira precisam para se firmar no futebol profissional? (Mais uma pergunta do Internauta Pardal)

Tudo parte de um bom projeto. E o projeto não é aquilo que está escrito, mas sim na escolha das pessoas. No tempo que eu morei em Videira, percebi que o torcedor era fanático e realmente vestia a camisa do clube. Sei que em Santa Catarina, tem muitos jovens talentos, que podem ser aproveitados em equipes profissionais e mesclando com alguns experientes, dá um bom time sim.

Qual a maior dificuldade que enfrentou na carreira

Os clubes que não pagam o salário aos atletas. Vivenciei isso, na Colômbia, em 2002, onde fiquei quatro meses sem receber. Mas que felizmente, após o novo presidente assumir o clube, conseguiu saldar toda a dívida, e consegui retornar ao Brasil

  • Você sabia que o futebol colombiano foi por muito tempo patrocinado pelo narcotráfico?
O que é o futebol pra você?

Minha vida

Projeto Social

Atualmente, o gaúcho Jé, se dedica ao seu projeto Social, em parceria com Chiquinho e Diogo Rincon, nomeado de Brazil Football Club, uma ONG, sem fins lucrativos, onde trabalhamos com prevenção e resgate de crianças.

Perdeu, o programa? Não tem problema, assista tudo, acessando este link!

VEJA TAMBÉM
COMENTÁRIOS
Carregando