Em 1967, a Perdigão disputou a Taça Brasil de Futebol

Equipe videirense foi campeã estadual catarinense, em 1966

Após a conquista do título do Campeonato Catarinense de 1966, a Sociedade Esportiva Perdigão de Videira, garantiu o direito de representar Santa Catarina na Taça Brasil de 1967, na fase Sul, contra o Grêmio (campeão gaúcho) e Ferroviário (campeão paranaense), mas acabou não passou da primeira fase. Talvez tenha sido aí o começo do fim da Perdigão, que trouxe jogadores de fora para a disputa e deixou um pouco de lado seus verdadeiros heróis.

A TAÇA BRASIL DE 1967

A Taça Brasil daquele ano contou com a participação de 21 clubes, que foram campeões em seus respectivos estados no ano de 1966. Não disputaram o certame, os campeões do estado do Acre, Amazonas e Mato Grosso, além dos campeões dos territórios de Rondônia, Roraíma, Amapá e Fernando de Noronha.

O Estado de Minas Gerais, competiu com dois clubes: o Cruzeiro, por possuir o título da última disputa, e o Atlético Mineiro, vice-campeão mineiro.

As partidas como mandante da equipe videirense foram disputadas em Florianópolis (não foi permitido jogar em Videira).

Título do Catarinense de 1966, garantiu vaga para a Taça Brasil de 1967

CAMPANHA NA TAÇA BRASIL DE 1967

  • 4 jogos, 3 derrotas e 1 empate, 16 gols sofridos, 6 gols marcados

Ferroviário/PR 3 x 2 Perdigão

Perdigão 2 x 2 Grêmio

Perdigão 2 x 3 Ferroviário/PR

Grêmio 8 x 0 Perdigão

  • O título da Taça Brasil de 1967 ficou com o Palmeiras e o vice campeonato com o Náutico.

O JOGO, DIANTE DO GRÊMIO EM FLORIANÓPOLIS: O ÚNICO PONTO NA COMPETIÇÃO

Jogando no Estádio Adolfo Konder, em Floranópolis e com arbitragem do renomado Arnaldo Cezar Coelho, Perdigão e Grêmio empataram em 2 a 2. No jogo, em Porto Alegre, deu a lógico: sonora goleada do Grêmio por 8 tentos a 0.

  • No jogo, em Florianópolis, Valdomiro marcou os dois gols da Perdigão. Para o tricolor gaúcho, os gols foram de Tunho e Paulo Bumba. O Grêmio atuou em Floripa, com uma equipe mista.
Zagueiro Pelé da Perdigão, despertou interesse do Grêmio, após grande atuação no empate, com a equipe gaúcha.
Na foto, no Estádio Adolfo Konder, um trio da pesada: à esquerda, Nelinho; no centro, Valdomiro; e o zagueiro Pelé.

Recortes de jornais da época, destacando o empate da Perdigão com o Grêmio…

VALDOMIRO ATUOU PELA PERDIGÃO

Natural de Criciúma, o ponta direita, Valdomiro iniciou sua carreira no Comerciário, em 1965. Atuou na Perdigão na temporada de 1967. No ano seguinte, em 1968, com apenas 20 anos, foi campeão catarinense e logo foi transferido para o Internacional de Porto Alegre, onde foi ídolo e craque (foi oito vezes campeão gaúcho e tricampeão brasileiro).

Valdomiro chegou a seleção brasileira, onde disputou 23 partidas e marcou 5 gols, entre os anos 1973 à 1977. Em 1974, foi convocado para a Copa do Mundo, pelo treinador Rubens Minelli.

Histórico Sociedade Esportiva Perdigão

 

A Perdigão disputou cinco estaduais (65 a 69) e uma Taça Brasil (67). A última partida oficial, antes de fechar o departamento profissional, ocorreu no dia 1º de junho de 1969, em Joaçaba com uma bela vitória de 3 a 1 diante do Comercial, seu eterno rival.

Informações: Arquivos Internet, Diário Catarinense, recorte jornais da época

VEJA TAMBÉM
COMENTÁRIOS
Carregando